Você pode trocar bandas machistas por…

Você pode trocar bandas machistas por…

As redes sociais estão em grande agitação desde que Clara Corleone publicou sua indignação com a música “Linda, Louca e Livre”, da Apanhad...

Festival SÊLA: um festival sobre ser mais ela
100 anos de samba!
Com imagens fortes, Carne Doce lança o clipe de Falo

As redes sociais estão em grande agitação desde que Clara Corleone publicou sua indignação com a música “Linda, Louca e Livre”, da Apanhador Só. Ela resolveu contar sobre o relacionamento abusivo que viveu com Felipe Zancanaro, integrante da banda, que agora brada versos feministas no disco novo.

Depois disso, o Cena Independente criou uma lista de Bandas brasileiras que você deveria evitar, que, além da Apanhador Só, inclui Francisco El Hombre, Phill Veras, Paquetá, Não ao Futebol Moderno, Casa de Velho, Lotus, Amsteradio, Vespas Mandarinas e Gabriel Sá.

A nossa dica, portanto, é de mulheres que, para além do compromisso com a qualidade, fortalecem a luta e dão voz para que as mulheres continuem fortes e unidas. Afinal, sempre dá para trocar banda machista por coisa melhor. Segue:

1.Mulamba

“Qual que é o teu problema?
É fé pequena ou mente ruim?
Quem foi que te ensinou a tratar as mulher assim?
Agora fica esperto porque a coisa vai mudar
Se for tirar farinha com “as mulher” pode apanhar!”

2. Luedji Luna

“Eu sou um corpo
Um ser
Um corpo só
Tem cor, tem corte
E a história do meu lugar
Eu sou a minha própria embarcação
Sou minha própria sorte”

3. LaBaq

“Todo dia eu me descubro mais aberta
É muito pra viver, muito pra escutar
Muito pra dizer
Não demorou perceber que quase nada dura”

4. Tássia Reis

“Chore se quiser chorar
Corra se quiser correr
Mas saiba que amor quando é dor
Mais pra dor do que amor vou dizer
Não vale o seu desgastar
Já que há tanto pra se viver”

5. Anna Tréa

“Abre as asas!
Não dá mais, ser cores de outros carnavais
Outros panos, panos que não te vestem mais
Pise firme, não há por quê olhar pra trás
Sê inteira, sê a luz que ilumina tua paz
Coragem!”

 

>>Veja também:

Em playlist colaborativa, mulheres pelas mulheres