Documentário brasileiro Jogos Indígenas é premiado no Los Angeles Movie Awards

Documentário brasileiro Jogos Indígenas é premiado no Los Angeles Movie Awards

O filme Jogos Indígenas, dos diretores brasilienses Thiago Frade e Alexandre Magno, acaba de ser premiado no festival Los Angeles Movie Awards, em Hol...

18 fatos sobre Lua de Cristal que você não sabe
Russo, um dos ícones da história da TV brasileira, morre aos 85 anos
Vem aí o “netflix” do cinema brasileiro

O filme Jogos Indígenas, dos diretores brasilienses Thiago Frade e Alexandre Magno, acaba de ser premiado no festival Los Angeles Movie Awards, em Hollywood, nos Estados Unidos, na categoria Melhor Curta-metragem de Documentário.

Produzido pela Head Images Produções com o apoio do ITC (Comitê Intertribal), o documentário foi filmado em Cuiabá, durante os XII Jogos dos Povos Indígenas. O evento, que ocorreu em 2013, reuniu 1,6 mil representantes de 48 etnias brasileiras, além de representantes de outros 18 países.

A obra traça um panorama do evento – idealizado por Carlos Terena e coordenado por Marcos Terena – como esforço do resgate, celebração e preservação da cultura indígena. Além disso, o filme retrata os costumes indígenas e mostra de perto as tradições e curiosidades deste universo em um verdadeiro mergulho cultural e antropológico.

Eleito também Melhor Filme de Documentário no festival 3º Curta Brasília, em 2014, Jogos Indígenas recebeu o troféu Cinememória oferecido pelo renomado cineasta Wladimir Carvalho, que elogiou a produção pela competente direção. “O troféu é merecido pela competente direção e tratamento dos conteúdos éticos, traduzidos no enquadramento, na luz e na cor da excelente fotografia, que sublinham e dignificam a cultura de nossos índios”, afirmou Carvalho.

Agora, em meio a premiação internacional, a dupla de diretores Thiago e Alexandre se prepara, juntamente com a Head Images e o ITC, para a produção de um longa-metragem sobre os Jogos Mundiais dos Povos Indígenas, que ocorrem em outubro deste ano, na cidade de Palmas, no Tocantins. A expectativa é de 2.500 participantes indígenas de mais de 30 países. Desde que os povos originais se espalharam pelos continentes, pela primeira vez na história da humanidade haverá um grande reencontro dessas populações.