Projota lança clipe de “Elas Gostam Assim” com Marcelo D2

Projota lança clipe de “Elas Gostam Assim” com Marcelo D2

Projota lançou o clipe de “Elas Gostam Assim”, com participação de Marcelo D2 e inspirações assumidas em clipes de Kanye West e Snoop Dogg...

EXCLUSIVO: Assista “Sinais do Sim”, novo clipe do Paralamas do Sucesso
Foba lança o western psicodélico “Albatroz”, seu novo clipe e single
Entrevista com Ava Rocha

Projota lançou o clipe de “Elas Gostam Assim”, com participação de Marcelo D2 e inspirações assumidas em clipes de Kanye West e Snoop Dogg, mas também com a forte presença brasuca do Berimbau.

Para o rapper, a ideia do clipe é mostrar a alegria e a diversão em estar no estúdio. “Porque essa é uma música de curtir, de ouvir no carro, na balada, então, estamos no estúdio com as meninas curtindo, não tem roteiro e nada.” Mesmo com uma proposta simples, ele juntou 3 elementos que julga fundamentais: uma boa ideia, um bom diretor e uma boa fotografia.

O resultado foi um clipe todo trabalhado no vermelho, cor que ele adora. Cansado desses clipes estilo “filme”, ele achou a ideia de gravar em estúdio ideal para o momento – “precisava diferenciar!”, diz ele.

Já a parceria com o Marcelo D2 é de longa data. “Conheço o D2 já faz tempo, ele era e é um dos grandes ídolos, um dos grandes representantes no mainstream, que tava na TV, na rádio. De repente ele tava na mesma balada que eu e foi muito louco porque ele veio falar comigo – o filho dele tinha mostrado minha música pra ele e ele virou meu fã. Isso mexeu muito comigo. O cara é foda, uma pessoa da hora e a gente sempre falava de fazer música juntos, mas não fazia. Daí quando a gente fechou com a gravadora, vi que tinha a oportunidade de convidar alguém e pensei ‘é o D2!’”.

Projota além da curtição

O moço que com 16 anos descobriu o rap, largou a faculdade pela música. “Na época eu me joguei, ainda bem que eu sabia voar”, comenta.

Quando questionado sobre o racismo no Brasil, ele disse que isso também está em sua pele. “O que acontece ainda no Brasil é as pessoas dizerem que não existe racismo, que o país é de boa, mas tem que acontecer algum evento pra elas percebem que existe. As pessoas acham que não existe enquanto não bate na porta delas.”

Ele transitou entre periferia e faculdade particular, viveu inúmeras realidades e sentiu o racismo na pele. “Quando eu fazia faculdade, pegava o ônibus bem na frente, quando tava vazio e sentava no fundo. O ônibus ia enchendo e o banco do meu lado sempre ficava vazio. Por que isso? Cara de bandido? Cara de periferia?”, questiona Projota.

Diante disso, o que ele faz é cumprir a responsabilidade com os jovens, público muito marcante em sua trajetória até hoje. “É uma responsabilidade muito grande e que eu carrego com alegria. Não é com medo nem nada, é com alegria.  É importante ter alguém que converse com eles, que tenha algo pra dizer pra eles.”

Agora, confira o clipe de “Elas Gostam Assim”: